IPad, tablet da Apple

Site oficial: http://www.apple.com/ipad/

Após meses de boatos e especulações, a Apple anunciou oficialmente, enfim, a chegada do iPad, seu primeiro computador em formato de prancheta digital, ao mercado. Em evento realizado em São Francisco, nos EUA, o fundador e presidente da companhia, Steve Jobs, apresentou o produto – que une computador, videogame, tocador de música e vídeo e leitor de livro digital – como “mágico” e “revolucionário”.

O aparelho chega às lojas dos Estados Unidos custando a partir de US$ 500 (ou cerca de R$ 920, na cotação do dólar comercial desta quarta-feira), na versão mais barata – sem conexão celular e com 16 GB para armazenamento. A versão mais cara, com conexão 3G e 64 GB, custará US$ 829 (R$ 1,5 mil).

O equipamento sem acesso a rede celular estará disponível mundialmente em até dois meses, segundo Jobs.

Já a versão com 3G estará disponível, nos EUA, em 90 dias. Para outros países, os primeiros acordos de distribuição serão fechados a partir de junho. Desta vez, o aparelho não será vendido exclusivamente para a rede de telefonia celular AT&T nos EUA. Sem subsídios, o iPad é compatível com qualquer rede de telefonia GSM.

“Há espaço para uma categoria entre os smartphone e o notebook. E precisávamos criar algo melhor do que um netbook”, justificou Jobs, antes de confirmar o nome oficial da prancheta digital, que pesa pouco menos de 700 gramas e tem tela sensível ao toque de 9,7 polegadas, com espessura total de 1,2 centímetro. O aparelho pode ser ligado a um teclado externo próprio, ou o usuário pode usar teclas virtuais exibidas na tela sensível ao toque.

Com o aparelho, será possível escutar músicas, assistir a vídeos, ouvir podcasts e acessar a internet. Mas a principal novidade é o aplicativo de livros digitais da Apple, o iBooks. O aparelho terá a mesma função de um Kindle, da Amazon. “A Amazon fez um excelente trabalho com o Kindle, iremos um pouco além com o aplicativo iBooks”, disse Jobs.

O menu do aplicativo apresenta uma “prateleira” digital, apresentando os títulos que o usuário já possui. A tela mostra a página do livro digital como se o usuário olhasse para o produto em formato de papel. No lançamento, a Apple garantiu acordos de distribuição de conteúdo das editoras Penguin, Harper Collins, Simon & Schuster, Macmillan, e Hachette.

Hardware:

O iPad, com processador próprio (o Apple A4) de 1 GHz, tem capacidade para armazenar entre 16 GB e 64 GB de arquivos digitais. A bateria dura 10h, segundo a Apple. A conexão à internet é feita via rede wi-fi (sem fio) ou celular 3G. Diferentemente do iPhone, o iPad não tem função de câmera digital.

Classificado por Jobs como “muito melhor do que um smartphone”, o iPad é compatível com o sistema iTunes de compra de conteúdo digital, diferencial que impulsionou o sucesso de seu “quase-xará” iPod.

Além do acesso a mídia digital, a ênfase do aparelho é o acesso a serviços de internet. Jobs mostrou mapas, vídeos no YouTube – em alta resolução – e fotos no Flickr. Durante a demonstração, no entanto, o ícone que indica erro do plugin Flash apareceu em uma das páginas acessadas por Jobs, indicando que o aparelho, assim como o iPhone, não tem suporte para a tecnologia da Adobe.

Utilizando a tela operada por toques, o aplicativo “Brushes” permite desenhar com a ponta dos dedos. É possível fazer arte utilizando diferentes tipos de pincel. Os menus todos “saltam” na tela, evitando ter que sair da pintura para selecionar outras opções.  O conjunto de programas de edição de texto e planilhas iWork terá uma versão para o iPad. Cada aplicativo – editor de texto, planilha eletrônica e editor de apresentações.

O jogo “Need for speed shift”, da Electronic Arts, foi demonstrado no evento. O jogo de corrida mostrou a capacidade gráfica do aparelho, melhorada em relação ao iPod. Os controles utilizam a tela sensível ao toque para acelerar e frear o veículo e o sensor de movimentos – conhecido como acelerômetro – para controlá-lo na tela.

Todos os aplicativos da App Store feitos para o iPhone serão compatíveis com o iPad.  O aparelho pode executá-los tanto na resolução padrão, apresentando uma imagem pequena na tela, quanto em tela cheia.

Números:

Jobs abriu o evento pontualmente às 10h, no horário local (16h de Brasília), com estatísticas sobre os principais produtos da Apple em 2009. “Vendemos o iPod número 250 milhão há algumas semanas”, comemorou. A App Store, um dos trunfos do aparelho de telefonia celular iPhone, também foi lembrada: “disponibilizamos 140 mil aplicativos, e alcançamos a marca de 3 bilhões de downloads”.

De acordo com Jobs, a empresa fundada há 34 anos tornou-se a maior do setor de dispositivos móveis do mundo, com valor de US$ 50 bilhões. “Somos maiores que a Sony, a Samsung, e até que a Nokia”, disse Jobs.

Após o final do evento, as ações da Apple começaram a se recuperar, atingindo alta de cerca de 1%. Durante o evento, os papéis da companhia permaneceram em baixa, na casa dos dois pontos percentuais.

Fonte: G1